a própria

a própria

quarta-feira, 15 de junho de 2016

da natureza do homem, destruir a natureza sob o (falso) pretexto de melhorá-la? *




no mundo web - e no real - cada vez mais baia formosa vai perdendo os encantos que lhe deram o nome, e as tais virtudes(sem deméritos) de cidade pequena, para ganhar os defeitos da cidade grande: descaso ambiental, lixo, poluição, violência, truculência e todo o tipo de safardanagem política com objetivos escuso$, que a colocam em perigoso processo de irreversível degradação. degradação esta que: como não poderia deixar de ser, no processo em curso, atinge sob o ponto de vista ético e moral, toda a sua população. e que já se torna visível, inclusive, pelo peso das edificações que vergam a natureza em si e a natureza das coisas que findam sem caráter.

a bola da vez é a manifestação dos surfistas preocupados com suas ondas. o que pode parecer esporádico, pueril e irrelevante é muito em contrário uma boa onda. mesmo que não seja desta vez que vá gerar uma "parede"(basta uma parede não precisa um tsunami) que varra da cidade a borra que ameaça seu litoral. 

transcrevemos parte do "manifesto" que pede pelo pontal outros olhares que não aqueles que mistificam "progresso e desenvolvimento".  e que sob o epíteto de uma falsa sustentabilidade em nome da verdadeira, buscam confundir ainda mais uma  população cuja dieta de pão e circo(leia-se shows de música de qualidade idêntica a calda que o "desenvolvimento" passou a jorrar às suas praias) típica de uma administração, que a bem da verdade, registre-se, não apresenta originalidade em seus desmandos: apenas reproduz a praga que assola as cidades congêneres a baia formosa.

passemos a alguns trechos:

"As ondas do Pontal podem ser prejudicadas*

A urbanização em Baía Formosa (RN) pode prejudicar as ondas do famoso Pontal. "Melhor pico de surf do Rio Grande do Norte, e um dos melhores do Nordeste e do Brasil, corre sério risco destruído a título de uma urbanização descabida e sem propósito.

O prefeito e empresário Nivaldo Melo (PSB), cujo hotel fica ao lado do Pontal de Baía Formosa, ao longo de suas duas gestões tem devastado o point dos surfistas, descaracterizando a paisagem natural com obras de pavimentação que já alcançaram um limiar bem perigoso.
No entanto, ainda não satisfeito com o estacionamento feito para os ônibus de turismo que diariamente levam clientes (lucro) exclusivamente até seu estabelecimento, ele pretende executar um projeto de urbanização no Pontal de Baía Formosa, com direito a retirada de coqueiros e construção de muro de contenção, além de outras modificações a título de “melhorias” e “urbanização”. 
Isto é, muito concreto por nada. Pra quê? A natureza agradece permanecer do jeito que está e a comunidade de surfistas e de veranistas também. População, veranistas, surfistas, turistas e vereadores de oposição são favoráveis à preservação do meio ambiente e dizem em coro: não à urbanização do Pontal de Baía Formosa.
Os problemas são muitos: até agora, não foi apresentado nenhum estudo da necessidade do muro, muito menos quanto ao comprometimento que com certeza a obra trará à ondulação natural do mar, que rende as melhores direitas (ondas) do Nordeste.
As pessoas que frequentam Baía Formosa gostam de natureza, de paisagens naturais, da tranquilidade que lhe é peculiar. O interesse em urbanizar por urbanizar é exclusivo do prefeito e de seus interesses como empresário. A cada ano, o seu hotel - que é localizado irregularmente em cima de dunas - é ampliado paulatinamente, o que nos oferece uma clara visão do quanto irresponsável e devastador da natureza ele é. Além disso, o esgoto do enorme estabelecimento escorre para o mar, exatamente para o Pontal. O muro de arrimo seria uma forma de esconder essa prática completamente absurda. Portanto, em vez de asfaltar as praias, ele deveria fazer obras de saneamento básico. Até porque outro esgoto forma uma grande cachoeira que mina água diariamente para a famosa Baía, na praia do Porto. Não à urbanização e sim ao saneamento básico.
Famosas direitas nordestinas - O Pontal de Baía Formosa foi descoberto na década de 70 e, desde então, tem atraído atletas de todo o mundo, durante o ano inteiro, devido à constância das ondas. O surfista Fábio Gouveia (PB), que já foi campeão mundial, praticamente aprendeu a surfar em BF, como é conhecida carinhosamente a cidade que é linda por natureza e não merece tanto desrespeito.
O histórico de Nivaldo Melo como prefeito e como empresário é de destruição da paisagem natural. Desde o primeiro mandato, ele empreendeu obras que descaracterizam as ruas, praças e praias, como é o caso da antiga praça Elisa Carlota, que era um mirante natural e hoje é uma imensidão de concreto na falésia. Uma obra de risco, além de medonha de tão feia.
Ora, se Baía Formosa é conhecida mundialmente no meio surfista devido à qualidade de suas ondas, por ser um celeiro de excelentes profissionais, como é o caso de Alan Jhones, Ítalo Ferreira e José Júnior Chupeta, atletas que vivem exclusivamente do surf, e outros, como Israel Júnior e Vitória Rodrigues, a lógica seria investir em qualidade de vida, em melhorias ambientais, em educação ambiental. E não em concreto, em asfalto".
(Urbanização ameaça Baía Formosa (RN) no www.cearasurf.com.br)


isto posto, endosso que, sim, este tipo de urbanização "prejudica as ondas" e não só. houve uma certa miopia política em creditar agradecimentos a comunidade do surf - a cidade toda; e os turistas que interessam, os que tem sensibilidade que não foi asfaltada agradecem - seria não só mais simpático como verdadeiro, além de ampliar o movimento que ao fim e ao cabo é de todos . 
já quanto a desculpa useira e vezeira da efetivação das obras em nome do incremento do turismo, diria en passant (abordarei em novos posts) que tipo de turismo? turismo de massa? depredador; cujo gasto per capita não compensa os problemas que traz; ainda mais numa cidade cuja infraestrutura não atende nem seus habitantes?! e que não por coincidência só beneficia o feudo chalemar (e similares)? aquela construção medonha que avança sobre tudo e todos ao comando de quem diz governar em nome dos habitantes mas só governa por e para si? poupem-me da hipocrisia que a maré virou. 
o que está acontecendo em baía formosa é algo que como afirmamos acima, transcende a natureza das coisas ditas naturais. basta olhar o estado do centro turístico - inserido no loteamento alto do pau ferro, abandonado pela administração nivaldo melo - tornou-se a casa grande abandonada de uma imensa vacaria. e isto a entrada de uma cidade cujo edil diz preocupar-se com o turismo?!) sem falar da sua ociosidade enquanto patrimônio edificado. é lá que ônibus, por exemplo, deveriam parar (gerando translado e portanto emprego para bugueiros e afins, sem falar dos boxes de apoio) e nunca atravessar a cidade, moendo vias não projetadas para o peso deste tipo de veículo, menos ainda descer uma ladeira perigosa, apenas para satisfazer os desmandos particulares do empresário que se julga perfeito enquanto prefeito. 
a má onda do "progresso" soprada pela administração nivaldo melo já cavou valas em demasia para os olhares que não estejam comprometidos com a visão, pensamento e atitudes feudais tais como as das vilas que se querem bonitas e só fazem coisas feias, e que mostram que nem sequer como administrador consegue chegar ao verso da canção popular que remete a "força da grana que ergue e destrói coisa belas". tudo que foi erguido é tetérrimo - estética e socialmente falando. e não se trata aqui de clamar pela imobilidade, pela conservação da miséria em nome da comodidade burguesa do gozo da natureza. 
olhar baia formosa hoje, é vê-la com argueiros que metamorfoseiam-se em pedregulhos aos olhos dos verdadeiros amantes de uma cidade que transforma-se sem freios, da bela sem igual para o lugar comum da maioria das cidades que, não tendo seu patrimônio natural, apelam até para a feiura para chamar a atenção. mas fazer isso numa cidade que é formosa de nome, nascimento e curvas? tenham dó. 


mais do que um crime, temos hoje em baia formosa o atestado e legado do que faz a ganância enquanto potencializadora da estupidez humana e vice-versa. ainda mais quando soerguido ao cargo de prefeito o poder executivo tresanda para a destruição do que a médio prazo, bem trabalhado, daria muito mais lucros(para todos) simplesmente por estar ao lado da natureza e não deformando-a como o é todo ato humano que busca transformação na base da picareta e da picaretagem.

* originalmente publicado em 06/12/14, in aretipicaba.blogspot.com que agora sucedido por este blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário